sexta-feira, 12 de novembro de 2010

MÁ YARA


Não percebo porque se esta a dar tanto valor ao que foi dito por uma estudante, má estudante de direito, sobre o Nordeste. A moça, certamente, nunca pensou que a sua opinião, ou melhor, a sua desopinião, fosse lhe proporcionar tanto destaque. Agora ela é conhecida no Brasil todo, lógico que os motivos não são dos mais relevantes, mas a fizeram conhecida; é capaz de se candidatar a vereadora ou deputada nas próximas eleições e, pasmem! Vencer. Se continuar a campanha que ora se instalou para sua promoção, com certeza, ela será eleita, por muitos, inclusive, aqueles que, sem a coragem que ela teve de falar do Nordeste, mas pensando exatamente como ela, votarão secretamente, que é a melhor maneira dos covardes se pronunciarem: atrás do anonimato. Ela, ao menos está um pouco à frente desses. A Má yara, acho que é seu nome, o qual já carrega o mal em si, agora não quer falar à imprensa, mas, certamente, daqui a uns dias poderá mesmo ser capa da VEJA, ou de qualquer outra revista importante, que poderá pagar-lhe por uma entrevista, que será lida por muitos que a apóiam, e até por quem não concorda consigo. Depois das revistas, virá a televisão e todos os outros meios de comunicação para promovê-la. Se ela não for “burra”, vai aproveitar tudo isto e, com certeza, o Sul terá outro grande representante quiça, no Planalto, desta vez, de lá mesmo, não sendo necessário tomar, por empréstimo, um nordestino.

Pode ser, e isto é bem provável, que ela apareça no programa da Ana Maria Braga para dizer o que ela gosta de comer; se é que come, pois vi em algum lugar, que ela mora sozinha e vive de ajuda dos pais, sendo que o pai não é o dela. Inventarão um sanduba, para dizer que é o que ela come, certamente com muitas folhas verdes, cenoura, coisas completamente lights e finas, afinal ela não nordestina, para comer farinha, carne seca, abóbora, mandioca, acarajé, sem gosto de nada, nem mesmo de um queijinho qualho, que ela jamais saberá o que é, porque não conhece o Nordeste, aliás, pode até ser que a apresentadora, para amenizar o que a moça vem passando, leve-a para conhecer todo o Nordeste, Bahia, Ceará, Alagoas, Sergipe,Pernambuco, Rio Grande do Norte, Paraíba. Será que ela sabe que estes são os Estados Nordestinos. Bom, se não sabia antes, a partir de agora com certeza saberá, porque alguém vai fazer este périplo consigo e lhe e mostrará tudo. Lhe dirá que Pedro Álvares Cabral chegou a Porto Seguro – Bahia, que a primeira Capital do Brasil foi instalada no Nordeste, na Bahia, também poderão levá-la à Cachoeira, na Bahia, para que ela veja “in loco” como foi a luta pela independência e como se preserva a cultura negra. Aprenderá muito mais coisas, sem ter qualquer gasto ou trabalho intelectual, porque a didática de ensino para ela será diferente da empregada em relação á aprendizagem dos milhões de brasileiros, inclusive nordestinos, que têm de ir a escola e aprender isto, mesmo passando fome .

Depois de Ana Maria Braga, quem sabe; a moça fará um tratamento psicológico, porque o que ela disse, certamente, foi fruto de sua vida dura, da separação dos pais, dos traumas de infância, etc. etc. Aparecerá um psicanalista, que estará presente, junto com ela, no programa de televisão que oferecerá o tratamento grátis, que de grátis não tem nada. O profissional, sem dúvida, que se promove, mas tem de pagar caro pelo oferecimento, por aparecer no horário, que até pode não ser tão nobre, aliás, para fazer este tipo de reportagem e de programação, nada tem de nobre.

Depois, alguém chama a moça para participar de um reality show, claro que sem nenhum dos participantes ser das plagas, “ou pragas”, do Nordeste, afinal nordestinidade pega, e ela não pode ser contaminada, pois será impossível que depois do contanto com um nordestino, ela não comece a gostar de Betânia, Caetano, Gal, Gil, Marizete Menezes, Ivete Sangalo, Chiclete com Banana, Dorival Caymi e sua prole, Durval Leles, até mesmo a Claudia Leite. Nelson Rufino com a sua “verdade”, Edil Pacheco, Tuzé de Abreu, Moraes Moreira, Raul Seixas, Netinho, Daniela Mercuri, isto para falar só de baianos, porque ela saberá, depois que tomar a aula histórico cultural sobre o Nordeste, que Elba Ramalho, Alceu Valença, Fagner, Gonzagão, Adilson Ramos, Reginaldo Rossi e tantos outros são nordestinos. Será que ela sabe que Djavan é das Alagoas? Estamos falando só de música, porque podemos dar muitos outros nomes de escritores, pintores, poetas, políticos, inclusive, ela que é do ramo “jurídico”, se conseguir lá chegar, terá ouvido falar, ainda que casualmente, de Orlando Gomes, Ruy Barbosa, Calmon de Passos, Texeira de Freitas?

E na Literatura, será que ela já ouviu falar de Jorge Amado, Graciliano Ramos, João Ubaldo Ribeiro?

Bom, certamente, isto também ela saberá após a aula histórico-cultural cujas matérias terão de ser decoradas para que ela tenha condição de responder às perguntas, já “perguntadas” e sabatinadas, que não admitem respostas erradas.

Depois vai participar do Reality Show, que se for mesmo reality, deverá expulsá-la logo na primeira semana, porque de acordo com as informações da família, a coitadinha é problemática, claro que devido a todos os problemas, que quase nenhuma pessoal normal tem, principalmente aqueles filhos de pais separados. Depois, ela será chamada, dependendo do que conseguirem dela em termos de “físico”, pois isto também pode acontecer urgentemente se ela for desprivilegiada da sorte neste aspecto, para aparecer nua em alguma revista, o que ela aceitará, sem qualquer dúvida, afinal esta é uma cultura do seu espaço.

Bom, aí ela já deixou a faculdade em que estuda, sim porque esta já não fará qualquer falta, porque a esta altura, o comentário que fez sobre o Nordeste já lhe deu tanto lucro, patrocinado por pessoas tão abestadas quanto ela, inclusive eu que estou perdendo o meu preciso tempo em escrever sobre este fato, que ela não precisará de um reles diploma de Bacharel. Assim ela abandonará os “bancos da ciência”, como diria minha mãe, afinal eles não servem para nada, e, como já disse antes, aliás, para ser político, chegar mesmo a presidência da República brasileira, não é necessário ter qualquer formação universitária. Ah! precisa mesmo é ser nordestino, é o que demonstra, ao menos, os últimos oito anos. Deixando a faculdade se candidatará a uma vaga, seja como vereadora, seja como deputada estadual. Candidatando-se, ganhará, olhe o Tiririca; e tomará gosto pela coisa fácil, e então, chegará a deputada federal, quem sabe senadora, defendendo o direito da minoria elitizada, que como ela foi agredida pelo povo nordestino que, segundo a sua análise promissora, elegeu a Presidente da República, que vai continuar um programa de retirar do sul do país para dar ao norte nordeste o que este, também, segundo ela, não merece, porque pobres, famintos, sujos, miseráveis, embora com força suficiente para fazer o que os, também de acordo consigo, da sua “elite sulina”, olhem que eu disse sulina e não suína, não tiveram capacidade: eleger o presidente da República Brasileira.

Vamos lá gente, falem mais desta moça! Dêem força á má-yara

Depois não digam que não avisei!