quinta-feira, 23 de junho de 2016

Feliz Aniversário Mãe

Cachoeira - Bahia  onde ela nasceu
-“Mera você vai fazer meu aniversário?
-Não sei mãe, vamos ver?
-Mas este vai ser o último.
-Porra minha mãe, todo ano esta história de último, e eu acredito e no ano seguinte, oi de novo a mesma estória.”
Era assim durante muitos anos, o mês de junho começava e lá vinha a ladainha. O aniversário, festa, muita bebida, muita comida, muita música, tudo porque aquele era o último.
Sabe que eu até, de um determinado tempo em diante, fazia o aniversário mesmo porque achava que era o último e nesta brincadeira, passei uns doze ou mais anos fazendo aniversário de minha mãe.
Sempre uma feijoada, uma feijoada imensa. Ela já não podendo ajudar em nada, de sua cadeira de roda observava tudo e esperava a hora dos amigos chegarem, esses que sempre lhe foram fiéis.
A casa enchia, havia música mesmo. As últimas festas foram em Arembepe, mas a casa ficava cheia do mesmo jeito.

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Um Corregedor "ficha suja" - Brasil Colônia

Manoel falava-me de muitas coisas, umas eu gostava, outras, nem por isso. Pois eu não tinha qualquer interesse nelas, ouvia a lutar com o sono, a tentar ficar com os olhos abertos, pois não queria de nenhuma maneira, aborrecê-lo ou deixar que ele pensasse que eu estava a fazer pouco caso da sua cultura.
Pois de que me valia saber que, no ano de 1549, quando o primeiro governador geral do Brasil cá chegou, trouxe, entre os homens que o acompanharam, um senhor de nome Pero Borges, que viria a ocupar o cargo de Ouvidor Geral.
Ouvidor Geral!  O que seria isto? O que este homem faria?