segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

O que dizer?

O dia vai terminando! Estou aqui na minha varanda; acabei de ouvir uma faixa do CD de Seu Jorge onde ele fala de uma moça, suponho, que vai ao salão, vai às compras, ginástica, etc. para concluir que ela é uma burguesinha.
Acho engraçado: todos nós lutamos muito para conseguir melhorar a vida, e aí vamos incluir a nossa cultura, o nosso modus vivendi e tantas outras coisas, como por exemplo, cuidar da estética, seja porque se é feio mesmo, seja porque se é vaidoso, seja porque se quer melhorar algum detalhe do corpo, do rosto, enfim, todas as pessoas têm sonhos e alguns dependem de dinheiro para que se materializem.

Pois sim!  Tudo normal, mas por que quem faz as coisas que gosta, sejam elas puro consumismo ou não, tem de ser taxado de “burguês”? 
A música me faz pensar e eu já escorrego por caminhos outros, e chego até Martinho da Vila com a letra: “Felicidade passei no vestibular, mas a faculdade ela é particular,” penso no meu neto, que está prestes a fazer o vestibular, aliás, vestibular não, a prova do ENEM, que ele já faz desde o primeiro ano, pois tem que acumular pontos para ver se consegue entrar na faculdade de medicina. 
Isto tudo me leva a Câmara dos Deputados e a discussão sobre a reforma do ensino médio. A reforma está sendo debatida e, às vezes, parece-me hilariante que, aquelas pessoas, algumas quase sem formação, que parece que nunca aprenderam plural das palavras, conjugação de verbos, e até as próprias palavras, se dão ao desplante de discutir a reforma do ensino médio, decidindo quais as matérias que devem, ou não, estar nos currículos escolares. Me dá uma angústia imensa. Um deles, que não lembro o nome, mas que podia ser “O Feio” da lista da Odebrecht, porque o miserável é feio mesmo, chegou a dizer que Sociologia e Filosofia deveriam sair mesmo dos currículos porque são matérias doutrinadoras. Realmente, alguém que está numa casa democrática, representando a população, abrir a boca e dizer uma barbaridade desta, não tem qualquer cabimento.  Então as duas disciplinas que nos fazem pensar, que nos mostram caminhos, que fazem descobrir o outro, ajudá-los, enfim, humanizar o humano devem sair dos curriculum porque se prestam a doutrinar!  O que será que o homem quis dizer com este “doutrinar”.  Será que ele não percebe que não queremos nossos filhos e netos sendo robôs, que eles precisam pensar, diferenciar o bem do mal, pensar no outro como um ser igual a si independentemente de cor, gênero, ou orientação sexual?  Fiquei pasma! E esta não foi a única barbaridade surgida, muitas outras foram ditas e eu preferi desligar a televisão e deixar de acompanhar a votação, presidida por outra pessoa que está ali apenas mirando a manutenção do seu poder, pouco preocupado com o povo, aliás, ele mesmo já disse isto quando, em alto e bom som, aos microfones das televisões e rádios, que a Câmara dos Deputados não está ali para fazer o que o povo quer; que ela tem autonomia para fazer o que quiser: Engraçado ouvir isto de um representante do povo.
Contudo se todas estas baboseiras dos políticos não bastassem, ainda temos mesmo as pessoas, que tal qual nós, são do povo e tem as suas ideologias, que querem compartilhar a todo o momento, estes sim, pensam que podem doutrinar alguém a partir das inverdades e de interpretações mal feitas e tortuosas de fatos, ensinamentos filosóficos, sociológicos, enfim.
Estes são péssimos, porque querem nos enfiar goela abaixo irracionalidades que somente aproveitam às ideologias errôneas encampadas pelos seus políticos e seguidores.
É muito triste ouvir no Senado os senadores da “atual oposição” antes governistas que apoiavam todas as falcatruas idealizadas e realizadas pelos que estiveram no comando da nação durante longos 13 ou 14 anos.  Mais interessante ainda, é ver que, na sua grande maioria, todos estão com a faca no pescoço, prestes a perderem os seus mandatos por estarem envolvidos em corrupção, enriquecimento sem causa, desvio de verbas, enfim, todo o tipo de falcatruas. Estes indignos, amorais acusam o governo atual de agir contra o povo, de não permitir que o Brasil cresça, de tomarem medidas contra os interesses da nação.  Rapaz!  Não sei nem mesmo o que dizer. Que memória estas pessoas tem? Esqueceram depressa demais qual o motivo que levou o Brasil a estar no caos que se encontra.  Podiam ao menos raciocinar e admitir que, em seis meses, não se teria competência suficiente para afundar um país como estamos afundados.
A cada dia que vejo uma reportagem sobre as novas descobertas da Policia Federal, fico arrepiada. Em que país vivemos durante todo este tempo? Será que só sabíamos operar se estivéssemos tirando algo de alguém, no caso, do povo brasileiro?  As pessoas não tem vergonha de demonstrar uma vida incompatível com os seus rendimentos?  Enriquecem a si e aos seus familiares, e quando se descobre o que foi feito, qual o motivo que levou a esta prosperidade tamanha que se chega até a aparecer na lista da FORBES como uma das grandes fortunas do mundo, vem a publico e querem doutrinar (alguns até conseguem) seus seguidores, que devem ser inescrupulosos da mesma maneira que eles, para que insistam que tudo isto é uma perseguição politica!  Porra, faça-me uma garapa! Como diria minha mãe e minha vô Nieta.  Querer tapar sol com peneira é impossível, ele vai achar os furinhos da bicha e vai passar e mostrar-se claro, como é.
Trabalhei duro, consegui com muito esforço e ajuda do companheiro ter uma casa, carro, meu filho estudou em bons colégios, teve a sua faculdade paga, sustentei família, enfim, mas jamais ficaria rica com o salário que recebi e recebo (agora bastante diminuído com a aposentadoria). Tudo que tive e tenho é compatível com o que recebi, e olhe que o meu trabalho, para uma grande maioria da população, está dentro de uma “classe” que dizem “se vende”.  Entrei e sai e não “me vendi” e como eu, muitos colegas também entraram e vão sair ilesos, mas é ruim e fica difícil fazer uma defesa do “todo”, quando assistimos, pelo menos eu, estarrecidos o que esta sendo feito pelo Judiciário, e tenho que concordar que alguém está fazendo uma cama para depois dormir em bom e tranquilo sossego. As mudanças de interpretações que estão sendo postas em pratica na Corte Superior do país nos deixam (a mim em particular) perplexos. Como se não bastasse a Corte demonstrar uma fraqueza sem limite, temos um tenor bastante alterado cantando operetas aos microfones, fazendo criticas exacerbadas aos seus próprios pares, também ele rasgando as nossas leis, que proíbem os magistrados de comentarem as suas e as decisões dos pares em público.
Tudo de cabeça para baixo, tudo mesmo.  Uma Corte que permite, sem nada fazer, que uma decisão dela seja descumprida descaradamente, debochadamente como fez o Sr Renan Calheiro, abala os alicerces da nação, pois a garantia maior do povo é uma Justiça Imparcial e efetiva, que proteja os cidadãos dos desmandos dos próprios poderes, se ela falha, se ela também se intimida diante de poderosos, acaba a nossa esperança.

Enfim, estou triste, quisera não estar presenciando nada disto, não queria um dia ter de contar esta “história” para meus netos e bisnetos, não queria passar esta vergonha, pois não saberei explicar o que nós, povo brasileiro, fizemos para que tantos canalhas, calhordas, mentirosos, infames, desonestos, amorais chegassem aos órgãos de cúpula deste país.