sábado, 1 de março de 2014

Velhos e Bons Carnavais


O carnaval se aproxima e eu fico pensando nos belos carnavais de tempos atrás, quando os trios elétricos saiam da frente da Manon no início da Avenida Sete. Eram só três, salvo engano, o da Saborosa, o do Tapajós, outro que agora não lembro o nome.
Era fabuloso ir para a casa de minha avó, pois minha mãe só deixava a gente sair com as irmãs dela, a gente era: eu e minha irmã mais velha. Íamos de mortalha, todas faziam a roupa do mesmo pano. Chegávamos à rua lá pelas dez da manha, cinco ou mais mulheres, e descíamos do ônibus, salvo engano, ali pelo Garcia ou Campo Grande, dali íamos andando até é o Forte São Pedro, e no caminho o frenesi já tomava conta de todas. Eu, que tinha 15 anos, era objeto do cuidado das demais, como era bonita e muito desenvolvida para os quinze anos, arrumava muitos galanteadores no caminho. Um em particular, me acompanhou durante uns três ou quatro anos de carnaval. Quando eu passava com o meu grupo pelo forte de São Pedro, ali estava ele, um belo homem: alto, moreno, olhos negros, muito negros, mãos lindas. Não sei do resto, ele também usava uma mortalha e sempre o mesmo comentário.  “Minha noiva, no próximo ano caso com você”.  É verdade: acreditem, ouvi isto durante uns quatro anos da minha vida. 
Todas já sabiam, e se ele não tivesse no local, até dávamos uma paradinha para esperá-lo. Trocávamos o nosso abraço e beijos no rosto, ainda não tinha esta coisa de beijar, beijar, beijar, pelo menos, não me lembro disto, também, tinha um nojo da zorra de beijar quem não conhecia. Um dia, por causa de um beijo de um cara qualquer, quase apanho na Avenida Sete, pois dei uma tapa na cara do homem na mesma hora; caso não estivesse na frente de um bar, e nele não tivesse uma porção de rapazes, que abriram uma brecha para que eu entrasse e impediram a passagem do homem, não sei se estaria escrevendo isto agora, O cara se retou mesmo e partiu para cima de mim. Não me pegou por causa da ajuda providencial do pessoal. Fiquei muito tempo dentro do bar, até que os caras saíram e eu fui quase que escoltada até o ponto de ônibus.
Nunca arrumei namorados no carnaval, não achava legal mesmo, mesmo depois dos 18 anos, e já com trios elétricos revolucionários eu continuei ilesa. E olhe que eu pulava, literalmente, atrás do trio elétrico e dos blocos da época: Internacionais, Corujas, Barão, Jacu.
Todavia, antes dos 15, também fazia carnaval, penso que até os oito, meus pais nos levavam, a mim e a todos os irmãos existentes na época, para o carnaval.  Lembro da Avenida Sete onde as pessoas colocavam bancos de madeira amarrados nos postes uns nos outros, que não eram ocupados por quem não era dono, e se ocupados, quando os donos chegavam, as pessoas saim sem qualquer problema. Minha mãe nos fantasiava a todos, a fantasia mais corriqueira era a de cigana.  Acho que a descendência espanhola fazia com que a preferida fosse ela. Adorava o torso amarelo ou vermelho com aquelas coisinhas penduradas na ponta, caindo na testa. Olhe que ficávamos bem bonitos, os três, eu Elisa e Tininho, que já se vestiu de pirata, com roupa de cetim toda preta uma tapa olho. As nossas lanças perfume douradas, uma bisnaga imensa que não podia faltar, o saquinho com confetes e serpentinas eram as nossas armas carnavalescas.
Há um tempo anterior, quando meu pai ainda pagava o Centro Espanhol, que ficava na Vitória, íamos para os bailes infantis, depois tudo isto acabou, e eu só lembro-me de ter ido ao carnaval com as minhas tias, Glória, Natércia, Aércia e suas amigas: Ieda, Solange, Nildete, Jandira e outras.
Era bom mesmo nos programarmos: tínhamos um tio que era garçom e ele nos fazia entrar, imaginem vocês, nos clubes da elite: Bahiano de Tênis, Associação Atlética.  No Yacht fui muito poucas vezes, não por causa do tio, e sim por conta da beleza, namorei com alguns sócios.
O que gostava mesmo, entretanto, era do dia de sexta feira, se bem me lembro, de um baile de carnaval no clube dos médicos que ficava na Boca do Rio, era uma epopéia para chegar e outra para ir embora, recordo-me de ficar sentada, junto com muitos outros foliões, aguardando que o dia acabasse de amanhecer e aparecesse o primeiro ônibus, para voltarmos para casa.
Não me lembro em que época, mas o carnaval da Bahia tinha escolas de samba, se não eram escolas de samba, eram blocos que saiam com carros enfeitados, pessoas fantasiadas, algum luxo.
Também adorava ir às festas do Fantoche da Euterpe, aquele clube que ficava no Dois de Julho, não sei quem me levava, mas fui muitas vezes.  Hoje acho engraçado lembrar como brincávamos carnaval em salas minúsculas com chão de tacos formando desenhos extraordinários. Acho que as salas tinham muitas portas, era um salão na verdade, mas que hoje em dia seria minúsculo para uma efetiva festa de carnaval. As pessoas iam fantasiadas, grupos de palhaços; grupos de colombinas: grupos de marinheiros: presidiários. Eu, quando muito, estava com alguma saia de cós baixo em que amarrava um lenço cheio de miçangas, uma blusa tipo “bustiê” e pronto, era uma fantasia. Morria de medo de cair quando a orquestra tocava corre lambretinha, que começava mansinha e depois acelerava, e era um Deus nos acuda. Ficávamos ofegantes e felizes, e hoje posso sentir a pureza daqueles carnavais. Gostava de sentir o frescor da lança perfume, e adorava o cheiro perfumado que pairava no ar.
Ver as máscaras, algumas, não nego, me davam medo, era muito excitante.  Quando mais velha, ler as criticas bem humoradas a tantas troças, que eram feitas sob diversos assuntos, era mesmo muito interessante. O carnaval era um momento de efetiva liberação, mas uma libertação cultural, onde as pessoas, talvez por se protegerem atrás das máscaras, podiam criticar o Governo, a política, os patrões, sem o risco de sofrer punições. Hoje a liberdade no carnaval só tem um significado: SEXO.  
Lembrar as marchas carnavalescas que eram tocadas. Recordar os concursos para a melhor música do carnaval, que eram feitos nos meses que antecediam a folia, salvo engano, é encantador e dá uma imensa nostalgia.  Esperar os desfiles de fantasia no Copa, ver Clovis Bornay, Evandro de tal(que diziam que era baiano), e tantos outros desfilarem com aquelas fantasias luxuosas, era um bom programa. Ver alguns flashes  do Baile do Bola Preta, penso que era este o nome, era  fantástico. O fantástico fica por conta da proibição, pois minha mãe achava aquilo um atentado ao pudor. Que engraçado, aquilo era um atentado ao pudor. Hoje eu não sei o que ela diria ao assistir, em plena televisão, o pessoal de blocos não só transando na rua, como se drogando, enfim, passando bactérias de boca em boca, tudo de errado mesmo.
O Clube de Engenharia, este era mesmo fatal para as donzelas, não tão donzelas assim, aquilo era comentado: antes, durante e depois do carnaval. Não se saia dali sem um par. São muitas e muitas lembranças, que devem ser sorvidas pouco a pouco.
Olhe, tenho saudades mesmo, e vou escrever mais sobre isto. Por hoje é só, mas ainda tem muito o que falar.  Barroquinha Zero Hora, Mudança do Garcia, Cada ano sai pior,  Barão,  Jacú,  Apaches do Tororó, Cacique, Filhos de Ghandi.  Um pouco depois: Os Novos Baianos, Caetanave, etc. etc. Realmente, já não se faz carnaval como antigamente. “Tanto riso, ah, tanta alegria, mais de mil palhaços no salão, Arlequim esta chorando pelo amor da colombina, no meio da multidão:  Foi bom te ver outra vez, está fazendo um ano, foi no carnaval que passou...”(Zé Keti). “Atrás do trio elétrico só não vai quem já morreu, quem já botou para rachar aprendeu que é do outro lado de lá do lado que é lado, do lado, lado de lá”; “Não se esqueça de mim, não se perca de mim, não desapareça, que a chuva tá caindo q quando a chuva começa eu acabo de perder a cabeça, não saia do meu lado....”(Caetano Veloso)  A única coisa que não tenho saudades no carnaval  é  dos macacões, que eram disputados: macacões da Shell, Esso, e de tantas outras empresas eram mesmo um símbolo, até mesmo, de status. Lindos, branquinhos, folgados, mas que davam um trabalho da zorra na hora do xixi.