quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Poemas do meu filho - Fabio Martinez Barbosa

DISSABORES
Sofri pelas dores dos ex amores
Por não ouvir conselhos tenores
Por agir por impulsos saltadores
Por não tentar por excesso de rubores
Por não atender os, as vezes, irremediáveis caminhos tentadores                  
Sofri, mas, o tempo curou!
Curou porque   extraordinário e sabidamente sábio ´tempo
Não por acaso rima com lento
Com tento, talento.
Faz um segundo parecer uma vida, faz a vida passar num só momento
Faz a dor do amor parecer mais que ferida
Faz novo amor  ser infinito, claro e bento.
É o tempo!
Borracha das dores
Pintor da vida em cores
Palestrante das verdades com, ou sem, dissabores!

ESPERANÇA

Queria, permanentemente, voar no céu do meu pensar
Flutuar nas nuvens do meu doce delirar
Sem jamais ter que parar para observar
As tristezas da realidade que teimam  em me rodear

Queria só mãe, mar, sol, praia e luar
Só parar pra pensar quando o cd de Bob  acabar
E fazer amor sem me preocupar
Com as consequências de dar amor, para quem só sabe tirar

Queria não me preocupar com aquela conta para pagar
Ter dinheiro, não para ser rico, mas, apenas pra não me estressar
Viver com humilde conforto para não afrontar
Pois o certo mesmo é dividir para somar

O que penso não sei se  é sonho
Prefiro dizer que é meta
Sonho pode ser apenas aquele filme noturno
Meta pode ter conquistada

Portanto, eu não queria; eu quero, faço e espero tudo um dia acontecer